Estudos demonstram oportunidades para recuperar áreas degradadas no Cerrado

Estudos demonstram oportunidades para recuperar áreas degradadas no Cerrado

10/12/2021

O Grupo de Trabalho de Reabilitação de Áreas Degradadas no Cerrado (GTPastagens) publicou três estudos que mostram ser possível alavancar a reabilitação das pastagens degradadas no Cerrado, melhorar seu rendimento econômico e sequestrar carbono, ao mesmo tempo em que reduz a pressão por novos desmatamentos.

Esses estudos foram realizados em parceria com o Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento da Universidade Federal de Goiás (LAPIG-UFG), o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), e Agroicone, com a coordenação do WWF-Brasil.

A Agroicone contribuiu para esses estudos com a publicação “Recuperação de áreas degradadas e reabilitação do solo no Cerrado brasileiro”, realizada com apoio do WWF-Brasil, considerando análises tanto territoriais quanto econômico-financeiras.

A pesquisa da Agroicone abordou o potencial das cadeias produtivas da soja, carne, leite e florestas plantadas para recuperar áreas degradadas. Os resultados mostraram, por exemplo, que no Cerrado há 5,6 milhões de hectares de pastagens degradadas com potencial econômico hoje para intensificação da pecuária de corte, 4,3 milhões de hectares para a pecuária de leite, e 5 milhões de hectares para a soja.

Para a sócia-gerente da Agroicone e coordenadora do estudo, Leila Harfuch, para que os produtores rurais implementem práticas sustentáveis, como por exemplo a recuperação de pastagens e a integração lavoura-pecuária-floresta, ações de apoio e incentivo podem ser feitas.

“É necessário o engajamento entre diversos atores do setor público e privado, com foco em implementar ações e instrumentos de fomento integrados, como disseminar práticas e tecnologias adaptadas às realidades regionais do Cerrado, reduzir insegurança jurídica (ambiental e fundiária), integrar as demandas de diferentes indústrias do agro, fomentar assistência técnica e mecanismos financeiros condizentes com as necessidades dos diferentes perfis de produtores”, observa Leila.

Também foram investigadas questões envolvendo o acesso dos produtores das regiões analisadas pelo estudo ao crédito rural, o que revelou o reduzido acesso das propriedades ao financiamento para investimentos: apenas 10% o fazem. Ressalta-se assim a importância de fomentar tal acesso dos produtores a esses recursos, como uma das formas de alavancar a recuperação de pastagens degradadas no bioma.

Para saber mais, leia o estudo da Agroicone:

Saiba mais sobre o GT Pastagens.

 

portfoliohttps://www.agroicone.com.br/wp-content/uploads/2021/12/capa_wwf.jpg
Compartilhe